Posted by Dayane Iglesias |

A importância do RP na formação da opinião pública.

Quem nunca comprou um saco de Ruffles e se decepcionou com a quantidade de chips que vem nele? Há alguns anos caiu na rede social uma “anti-propaganda” criada pelos próprios usuários revoltados da rede.
Uma das postagens dizia: “RUFFLES RECLAMAÇÃO: Gostaria de informar que o saco de ar que vocês vendem, está vindo com algumas batatas dentro…”, além de um “gráfico” diferente que pretende relacionar o tamanho do pacote e o quanto de batata geralmente tem para você comer.
Por meio das redes sociais, podemos observar a manifestação da opinião pública, que é definida por Cândido Teobaldo como “a expressão verbal da atitude comum de um público determinado” e “a opinião pública é a expressão dos modos de pensar de determinados grupos sociais ou de uma sociedade como um todo”, de acordo com Rubens Figueiredo.
Logo podemos perceber que a opinião pública começou a se manifestar negativamente em relação à marca. E onde entra o RP nisso? Exatamente nesse momento!
A equipe da Ruffles seguiu 6 passos básicos para administrar a opinião pública:
# Planejamento: a Ruffles manteve e mantém um planejamento de acompanhamento da opinião pública, mostrando-se atento a qualquer assunto que pode impactar ou, de algum modo, influenciar na imagem da organização.
# Estudo: se refere ao conhecimento e identificação acerca do assunto e contexto. Por ter o conhecimento do processo, a Ruffles conseguiu identificar o público envolvido, as propriedades da opinião pública e os meios de comunicação que devem ser utilizados para se alcançar o objetivo pretendido, que no caso foram as próprias redes sociais. Por meio da fanpage oficial da rede, eles soltaram uma campanha “Saco de Ar? Isso é Mito”.
# Respeito à OP: por meio de um infográfico divertido, a Ruffles soltou essa sua campanha informando os usuários da rede que eram os seus públicos de interesse, como funciona “o caminho da batata Ruffles até sua boca”.
# Avaliação: a empresa se posicionou muito bem diante da Opinião Pública e, com certeza, tinha um plano B, para o caso daquela campanha não tivesse dado certo.
# Informação com ética: Nesse infográfico, eles explicam o processo de fabricação, embalagem e transporte das batatas, até a chegada ao usuário final. De modo ético e com informações verdadeiras, a Ruffes não desmente e nem tenta “mascarar” a quantidade de ar que há nos pacotes, mas sim, explica qual a necessidade de ‘vácuo’.
#Formação da Opinião Pública: assim, sendo rápidos e sabendo o que responder, como responder e onde responder, a Ruffles conseguiu inverter a situação e, assim, agregar mais seguidores para sua página.
Nesse case, podemos perceber como o bom planejamento e relacionamento com a Opinião Pública pode dar certo. O Relações Públicas precisa não só informar, mas também formar a opinião pública!