Posted by Dayane Iglesias |

Ao redor do mundo, aproximadamente 75% das pessoas acreditam que "são o que comem" — um sinal de que os consumidores de hoje estão explorando as últimas tendências de saúde. Com as taxas de obesidade globais subindo 28% entre os adultos ao longo dos últimos 30 anos, as pessoas estão se esforçando para perder peso e melhorar sua qualidade de vida.

De fato, quase metade (49%) dos entrevistados na Pesquisa Global da Nielsen sobre Saúde e Bem-Estar se considera acima do peso, e uma porcentagem semelhante (50%) está tentando emagrecer. Mas homens e mulheres não estão, necessariamente, alinhados com os passos tomados na batalha contra a balança. Embora não seja novidade que o bem-estar e o modo de lidar com o corpo é diferente entre homens e mulheres, as diferenças se estendem para os caminhos de ambos os sexos que procuram melhorar a saúde a partir dos hábitos alimentares.
PREOCUPAÇÕES DE PESO
Quando se trata de problemas em relação ao peso, estereótipos comuns prevalecem. As mulheres estão mais propensas que os homens a se considerarem com sobrepeso. Mais da metade das mulheres ao redor do mundo (54%) estão acima do peso, em comparação a 45% dos homens. E logicamente, isso resulta em  mais mulheres tentando perder peso (56% das mulheres contra 44% dos homens). Entretanto, as ações que as mulheres tomam para emagrecer diferem do público masculino.
Para perder peso, tanto homens quanto mulheres preferem ajustar sua dieta, exercitar-se, tomar pílulas, barras, shakes ou medicamento prescrito por um médico. No entanto, as mulheres estão 9 pontos percentuais mais propensas que os homens a optar por alterar sua dieta (79% das mulheres, contra 70% dos homens), enquanto os homens estão 6 pontos percentuais mais propensos a escolher o exercício físico (75% dos homens, contra 69% mulheres) para emagrecer. Quando se trata de mudanças na dieta para perder peso, mais mulheres estão reduzindo chocolates e açúcar (64% contra 58% dos homens) e comendo alimentos frescos mais naturais (60% contra 53% dos homens). Enquanto isso, mais homens estão reduzindo gorduras (66% contra 63% das mulheres) e seguindo um plano de dieta ”low-carb” (27% contra 23% das mulheres).
HÁBITOS SAUDÁVEIS
Além da perda de peso, muitos consumidores estão tomando medidas adicionais para melhorar sua saúde em geral. A maioria de ambos os sexos faz escolhas alimentares para ajudar a evitar certas condições, tais como obesidade, diabetes, colesterol alto e hipertensão. No entanto, os homens geralmente assumem um papel mais físico do que as mulheres quando se trata de estar em forma— mais de três quartos dos homens (77%) se exercitam ou praticam esportes em uma base regular, em comparação com 68% das mulheres.
No que se refere a compras de alimentos, ambos os sexos são igualmente propensos a escolher alternativas locais, naturais e orgânicas sempre que possível (77% cada). Homens e mulheres estão altamente conscientes do que estão comendo, com 75% dos homens e 76% das mulheres afirmandoo ler cuidadosamente rótulos com informações nutricionais.
No entanto, os homens parecem ser mais exigentes na escolha de onde compram, e estão mais dispostos a sacrificar o sabor para conseguirem o que querem. Um percentual maior de homens diz comprar principalmente alimentos em lojas especializadas que vendem uma grande variedade de alimentos saudáveis do que as mulheres (68% dos homens contra 60% das mulheres). E mais homens (65%) estão dispostos a sacrificar o gosto por uma opção mais saudável do que as mulheres (59%). Mulheres, por outro lado, são mais criteriosas, quando se trata de escolher os alimentos, com 71% acreditando que alimentos processados são insalubres, comparado com 65% dos homens.
ALIMENTOS FRESCOS
Então, quais fatores de saúde homens e mulheres estão à procura ou evitando quando compram comida
Enquanto todos os atributos de alimentos não são igualmente importantes para todos na hora da compra, aqueles com ingredientes naturais e sem organismos geneticamente modificados (OGM) são considerados muito importantes para 43% dos entrevistados globais — as maiores porcentagens dos 27 atributos analisados no estudo. Ainda que ambos os atributos estejam bem classificados entre homens e mulheres, eles são um pouco mais importantes para as mulheres do que homens.
Na verdade, geralmente as mulheres estão mais propensas que os homens a considerar atributos de saúde como importantes influências em suas compras. Em particular, atributos "menos é mais" — como aqueles que não possuem cores artificiais, sabores e baixa ou sem gordura, calorias, açúcar ou sal — são mais importantes para as mulheres que para os homens. Além disso, atributos saudáveis, tais como alimentos com ingredientes naturais e aqueles feitos com legumes, frutas e grãos integrais também são condutores mais importantes para hábitos de compra do público feminino que para o masculino.
Para que comerciantes, varejistas e anunciantes consigam atingir o consumidor de forma eficaz, é preciso entender como homens e mulheres percebem sua saúde de forma diferente, assim como suas escolhas de compras variam por conta disso.
METODOLOGIA
Este artigo se baseia no Estudo Global sobre Saúde e Bem-Estar, que foi realizado entre 13 de agosto e 5 de setembro de 2014 e entrevistou mais de 30.000 consumidores online em 60 países Ásia-Pacífico, Europa, América Latina, o Médio Oriente, África e América do Norte. 
Posted by Dayane Iglesias |
Ao infinito e além! Se essa é a direção que você quer dar ao seu negócio, veio ao lugar certo. Para fazer sua empresa alçar novos vôos, montar um plano de crescimento é um bom primeiro passo.
Esteja você precisando traçar o caminho da sua estratégia de expansão ou seduzir seus investidores que financiem essa expansão, é preciso entender o passado e olhar para o futuro para colocar em prática os sonhos que você tem para sua empresa! O infográfico abaixo reúne tudo que você precisa saber para montar um plano de crescimento completo. E assim começamos a contagem regressiva para seu negócio decolar!
10, 9, 8, 7, 6…
Plano de Crescimento
O que é?
Se você está pensando nele, deve ser um empreendedor que sonha grande! O plano de crescimento é o que vai te fazer olhar para o futuro, colocar as ambições no papel para conquistar seu espaço e transformar seu negócio em um daqueles de alto impacto!
Para que serve?
1. O empreendedor e sua equipe. O plano é a materialização da sua estratégia, é a bússola que você deverá consultar no dia a dia dos negócios. Ao fazê-lo, é certo que o empreendedor ampliará o nível de conhecimento que tem do próprio negócio – o que se tem e para onde se vai. Às vezes, ao elaborar o plano, você descobrirá as melhorias que precisam ser promovidas em seu negócio a fim de prepará-lo para crescer. E quanto antes, melhor!
2. O mercado – sejam os bancos, os fundos de investimento ou os investidores que compram títulos ou ações comercializadas em bolsa. O plano precisa convencê-los. Seduzi-los, até. Precisa conquistar sua confiança e não deixar o mais simples traço de dúvida em relação à estratégia e à natureza da empresa. Deve demonstrar que o investidor pode ter um retorno compatível com suas expectativas.
Escolha o caminho para sua expansão
Uma vez que o empreendedor visualiza seu desejo de crescer, vale decidir que direção tomar. Usemos um exemplo: o varejo. Nesse setor, crescer significa, na maioria das vezes, expandir o número de lojas ou pontos comerciais. Há três maneiras comuns de se fazer isso:
1. Abrir lojas próprias
2. Formar uma rede de franquias
3. Montar uma loja virtual
Tendo feito essa decisão, chega o momento de calcular o custo dessa expansão.
Imagine que o caminho escolhido seria abrir lojas próprias.
Além dos custos sob controle (aluguel, estrutura, contratações, estoque, back-office), é importante considerar fatores fora do controle:
- Como é a demanda e a concorrência do mercado da região?
- Qual deve ser o retorno do investimento?
- Quanto tempo leva até as receitas superarem as despesas?
Dica de ouro: confronte o padrão de comportamento de seu negócio com os números que mostram a realidade do mercado para o qual quer expandir
A partir dessas reflexões, reflita:
Quem banca a sua expansão até o amadurecimento das novas frentes do negócio?
Para isso, você deve escolher uma fonte de recursos. E caso opte por buscar investimentos externos, seu plano de crescimento será primordial.
Que informações levantar para montar o plano de crescimento?
Passado, presente e futuro: para crescer, entenda antes de onde você está vindo e aonde quer chegar.
Você vai precisar ter em mãos o histórico, retrato atual e projeções desses pontos:
1. Mercado
• Tamanho do mercado
• Dados sobre consumidores (demografia, comportamento, necessidades, sazonalidade)
• Volume de vendas
• Participação de mercado no setor
• Índices de satisfação
• Concorrentes diretos e indiretos
2. Finanças
• Balanço patrimonial
• Demonstrativos de resultados
• Fluxo de caixa
• Necessidades de investimentos
• Contingências trabalhistas, tributárias e outras
3. Operação
• Tamanho da força de vendas
• Tamanho do corpo total de funcionários
• Informações de produtos ou serviços oferecidos
• Número de marcas e patentes
• Capacidade de produção ou de oferta de serviços
• Economias obtidas com ganhos de escala
• Cadeia de fornecedores e custos dos suprimentos
4. Empresa
• Natureza do negócio
• Diferenciais competitivos
• Frentes de atuação
• Vantagens em relação aos concorrentes
5. Controle e governança
• Estrutura legal do negócio
• Situação das participações
• Como é o acordo de acionistas
• Como é o Conselho de Administração e/ou de Família
6. Pessoas
• Quem compõe a gestão
• Planos para a equipe envolvida com a gestão,
• Planos de recrutamento e retenção
• Índices de rotatividade
• Índices de satisfação dos colaboradores.
7. Políticas e estratégias de vendas e marketing
• Caminho da expansão (aquisições, franquias, lojas próprias, novos produtos, novos mercados)
• Direção da expansão (horizontal, vendendo o mesmo para mais clientes, ou vertical, vendendo mais para os mesmos clientes?)
8. Produtos e serviços
• Quais
• Como atendem a necessidades dos clientes
• Situação de direitos e patentes
• Pesquisa e desenvolvimento e seus resultados
9. Recursos
• Capital necessário
• Origem do capital necessário
• Termos da interação com investidores
• Aplicação do capital
• Geração de caixa
• Retorno dos investimentos
10. Gestão de riscos
• Pontos fracos da empresa
• Ameaças do mercado
• Plano B para situações de prejuízo
Com essas informações detalhadas, resta estruturá-las, definir ações e prazos e você estará pronto para decolar!