Posted by Dayane Iglesias |
Alguns erros – técnicos ou não – ainda persistem em manter presença no dia a dia de muitas empresas que estão começando no universo da redes sociais. Começando? Sim, começando. Não é porque algo está na moda ou funciona para alguns que todos devem estar lá. Para alguns esse universo ainda pode ser um patamar distante, variando de acordo com necessidades e contextos específicos.


No mais, separamos aqui 3 pequenos erros básicos, simples, porém presentes em grande parte das empresas que querem adentrar nesse segmento de atuação mas ainda não estão com os dois pés no chão. São erros que podem ser classificados em outra categoria, sem ser a de “erros”, mas que atrapalham e muito a atuação da empresas nesses meios. Vamos lá.
1. Empresas – ainda – apostam na moda
Saiu na capa de uma revista semanal, uma matéria no jornal, deram entrevista na televisão. Qualquer desses ingredientes pode ser considerado o estopim para que muitas empresas resolvam “entrar nessa” de social media marketing. Não precisa de planejamento, pois tá na moda. Saiu na TV. Um especialista colega de um amigo do primo disse que é a onda do momento. É entrar de cabeça ou morrer no mercado. Vamos abaixar as portas do supermercado pois, daqui em diante, tudo será online.
Calma, muita calma. O que funciona para um pode não funcionar para outro. O que funciona em um país desenvolvido pode não funcionar em um país em desenvolvimento com problemas muito mais graves. Não é porque meia dúzia comentou que você vai começar hoje suas ações. Pesquisa, estude, desenvolva habilidades e, acima de tudo, vá com calma. Nem sempre a grama do vizinho é mais verde só porque ele usa mídias sociais.
2. Empresas – ainda – apostam só em estagiários
Não é uma crítica ao dado segmento, mas a maioria absoluta das empresas requer um profissional entre o segundo e terceiro ano de comunicação, fluente em inglês, espanhol e sueco (fora o português), com experiência, habilidades em quase todos os softwares gráficos e de monitoramento, craque em análises, participante de um ONG e, de quebra, que aceite ganhar um salário de estagiário. Por isso muitas empresas acabam tendo uma rotatividade absurda de funcionários, sem falar que não conseguem contratar e nem construir uma imagem própria da empresa nesses meios, pois sua única preocupação sempre foi aparentar, não realizar. Aparentar ter social media e não de fato fazer social media.
3. Empresas – ainda – não levam a sério as mídias sociais
Fico muito desconfortável com o papo de que a geração Y é linda e a geração Z é além-humana. Alguns vídeos usam esse tema para ameaçar o marketing e suas ramificações, colocando nas mídias sociais um poder inquestionável que superaria qualquer coisa existente até hoje.
Bom, não é bem assim, mas também não é para levar tal segmento na “camaradagem”, no “puxadinho”, sem planejamento estratégico, sem profissionais adequados. Por isso, um dos maiores erros das empresas nesse segmento é não considerar as mídias sociais como um importante segmento.
Imagem via Shutterstock.