Posted by Dayane Iglesias |
SEM, ou Search Engine Marketing, é um conjunto de técnicas de Marketing na Internet que tem por objetivo a promoção de um website nas páginas de resultado (SERPs) de um buscador (ex. Google, Yahoo, MSN, etc…).
Basicamente, o SEM é dividido em duas categorias:
  • SEO, ou Search Engine Optimization, que visa a otimização de palavras-chave, de conteúdo, de links, fatores on e off page, otimização para redes sociaisorganização da arquitetura do sitemelhores práticas para uso de Javascript e Flash, onde até a usabilidade é um fator para otimização nas páginas de resultado (SERPs) dos buscadores . Posso dizer que o SEO é o carro chefe do SEM, representando um ganho de médio-longo prazo para o aumento de tráfego no site.
  • Links pagos, que podem ser de links patrocinados (como o sistema do Google, o Adwords) ou ainda inclusão paga. A área de links pagos é interessante por oferecer um modelo chamado PPC (Pay per click), ou seja, você paga proporcionalmente à quantidade de cliques que você recebe. Já na área de inclusão paga, o webmaster paga pela exibição do link do seu site, seja em um diretório ou em um site relacionado ao assunto. Comparado ao SEO, podemos ver a área de Links pagos, como um ganho de curto-médio prazo, sendo que ele fica praticamente estagnado em ganhos depois de muito tempo.
Avaliar métricas de SEO nunca é algo fácil, sempre há um certo grau de subjetivismo em uma campanha de otimização de sites e nos resultados que esta proporciona. No entanto, sem um acompanhamento próximo, você correrá o risco de perder de vista a real evolução do SEO do seu site.
Para facilitar nossa vida, existem diversas ferramentas que auxiliam a análise destas métricas. Entre elas, aquelas que mais se destacam, naturalmente, são o

1. SEO Master Free Scanner

Desenvolvida pela nossa equipe de T.I., o Free Scanner avalia as principais questões referente ao SEO On-page, relacionado o site avaliado a uma determinada palavra-chave escolhida pelo o usuário, de um site.
Free Scanner  5 Ferramentas para Análise de SEO

Além da nota geral, esta ferramenta aponta os itens on-page que o seu site precisa melhorar e faz comentários sobre eles.

2. Alexa

O interessante desta ferramenta é que ela serve para você comparar o site aos demais sites do seu país e do mundo. Ela mostra o posicionamento do site desejado, em relação à popularidade do site, no seu país de origem e no mundo. Ela também informa a variação do posicionamento nos últimos três meses.
Por exemplo, como mostra a imagem abaixo, a SEO Master ocupa a posição de número 678 no Brasil e de 29.069 em todo o mundo.
Alexa2 5 Ferramentas para Análise de SEO
Uma coisa bem interessante de se fazer com o Alexa é a possiblidade de comparar o seu posicionamento com os dos seus principais competidores e ter como meta ficar à frente deles.

3. Ahrefs

Ahrefs é um pouco mais complicado de se usar que as anteriores e a sua versão free é limitada, porém, quando se trata de análise de links, ela é a que mais se destaca. Ela informa, detalhadamente, tudo a respeito dos links que apontam para o seu site, desde país de origem, passando por formato, até textos âncoras.
ahrefs 5 Ferramentas para Análise de SEO

4. SEM Rush

Esta é a ferramenta mais completa de todas. Seria necessário escrever vários artigos para explicar cada funcionalidade, porém, até por isso, é recomendado ter algum conhecimento em marketing digital e usar a versão paga.
Através do SEM Rush é possível estimar o quanto e como o seu concorrente investe em Adwords, verificar os links que apontam para ele e saber quais as palavras-chaves do seu concorrente que estão melhor ranqueando no orgânico, entre outras. Obviamente, as mesmas funcionalidades estão disponíveis para você avaliar o seu site.
SEM Rush 5 Ferramentas para Análise de SEO

5. Open Site Explorer

Mais um dos produtos da Moz, maior referência de SEO no mundo todo. O Open Site Explorer é responsável por avaliar a métrica, que ao meu modo de ver, é mais importante atualmente para o SEO: a autoridade de domínio. Essa é a métrica primordial para você definir os rumos da sua campanha. Uma autoridade de domínio maior significará uma maior chance para o seu site ranquear bem, independente da palavra-chave.
Open Site Explorer1 5 Ferramentas para Análise de SEO
Sinceramente, para analisar links, não recomendo. Para isso, como dito anteriormente, o Ahrefs é mais competente.

Fonte:http://www.seomaster.com.br/

Posted by Dayane Iglesias |



As projeções de mercado para a economia brasileira 2014, se não chegam a ser alarmantes, expõem um panorama de fragilidade com expectativas de baixo crescimento do PIB e aumento da inflação. Segundo a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central essa semana, a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) deve alcançar 1,79% neste ano. O índice é 0,11% menor do que o divulgado pelo próprio Banco Central na semana passada.
Além das baixas expectativas para o PIB, o Banco Central divulgou na última sexta-feira uma redução no Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) – completando assim dois trimestres negativos. Vale lembrar que a atividade do varejo em 2013 teve a menor expansão nos últimos dez anos. Sobre a inflação, a análise é de que o IPCA feche com um índice de 5,93% – um aumento de 0,04% ante o ano passado.
Diante do cenário, os pequenos e médios empresários precisam ter cautela para não sofrerem prejuízos no ano de 2014.
Fonte: CNSEG
Posted by Dayane Iglesias |
Quais são as melhores métricas para seu site no Google AnalyticsO Google Analytics é uma ótima ferramenta para analisar o comportamento dos usuários e se o seu site atinge os objetivos que levaram você a cria-lo.
Através de diferentes métricas fornecidas pelo GA, como as pessoas popularmente chamam o Google Analytics, você consegue observar se a estratégia de marketing digital da sua empresa está sendo efetiva.
Existem diferentes métricas que podem ser usadas para cada tipo de site, sendo que podemos separá-los em: Sites Institucionais, Blogs, Sites de Portais e E-Commerce.
Tentarei mostrar como você pode utilizar este serviço para obter as informações mais relevantes sobre seu site, de acordo com os diferentes tipos de site.

Tipos de métricas do Google Analytics

Iremos abordar as métricas mais relevantes para os tipos de sites citados acima. Cada tipo de site possui seu objetivo e também cada um possui metas de conversões diferentes. Trabalhando com as métricas do Google Analytics fica mais fácil de compreender, analisar e desenvolver estratégias para o melhoramento do SEO do site.

Quantidade de visitas

A quantidade de visitas para um site é um fator muito importante, pois mostra que seu site possui conteúdos relevantes para certos assuntos, aumentando a relevância para o SEO.
Para blogs e portais, esta informação pode ser muito boa para agregar valor ao seu mídia kit, assim, seus espaços para propaganda tornam-se valorosos e disputados. Lembrando que seu site deve ter um foco em um tema e público alvo.

Taxa de rejeição

A taxa de rejeição é uma simples porcentagem que relaciona a página que o usuário entrou no seu site e se houve ou não alguma interação com esta página. Para explicar melhor, supondo que 100 pessoas entraram na página home do seu site e 45 pessoas saíram do site sem clicar em nada, sua taxa de rejeição será de 45%.

O que analisar com esta taxa?

Caso sua taxa for grande, pode significar que aquela página possui alguns erros, tais como: layout que dificulta a usabilidade, conteúdo que não atende às expectativas do público que foi destinado, por exemplo, os links patrocinados ou palavras-chave otimizados trazem pessoas que estão procurando por outro tipo de conteúdo. A taxa de rejeição tem uma estreita relação com a taxa de conversão, porque se a primeira página que o usuário visita no seu site não consegue fazer com que ele continue navegando, provavelmente o usuário também sai do site antes de converter (fazer aquilo que você deseja no site como realizar compras, preencher formulário, etc).
Assim, você pode melhorar seu site ou as páginas específicas com altas taxas de rejeição para que diminua a taxa de rejeição e consequentemente aumente a taxa de conversão.

Número de conversões

As conversões significam que os objetivos DO SITE estão sendo atingidos. Para cada tipo de site existem diferentes tipos de conversões que devem ser considerados.
Os tipos de conversões são:
Preenchimento de formulário/ cadastro – mostra que os leitores se interessaram pelo seu site, assunto, conteúdo e querem obter notícias sobre novidades, receber e-mails, promoções, etc.
Tempo no site – o tempo no site pode mostrar que as pessoas estão lendo as informações contidas na página, assim, sendo relevante para SEO.
Número de páginas visitadas – a quantidade de páginas visitadas pode inferir que os conteúdos são bem relacionados e relevantes, assim, o Google pode analisar que seu site é “especialista” em tal assunto, e melhorar seu posicionamento nesse campo semântico.
Cliques em botões específicos – de vez em quando, o objetivo do seu site é levar os leitores para uma página bem específica, assim, criam como objetivo o clique em um link ou botão.
Cliques em banners de anúncios – normalmente usados em portais e blogs, estes cliques são suas remunerações, estes sites vendem espaços para propagandas, e estes espaços podem ser vendidos por CPC (Custo por Clique), com esta conversão, os donos dos sites sabem o quanto que os anunciantes pagam no final do mês. Outra modalidade de banner é o de pagamento de mensalidade, ao invés de custo variável com CPC
Compras de produtos – utilizados em e-commerce, a compra de produto é a conversão que mostra quais são os produtos da sua empresa mais vendidos através da internet, e também mostra a sua receita gerada pelas vendas.
Para configurar as suas conversões leia o post de como configurar metas no Analytics.
Custo por Aquisição (CPA)
O custo por aquisição é a relação entre seu investimento em marketing digital e a receita obtida. Você pode obter informações nesta página.

Métricas para Sites Institucionais

Normalmente os sites institucionais servem para pessoas jurídicas e pessoas físicas divulgarem seus serviços e/ou produtos através do compartilhamento de informações relevantes para seus públicos alvos. O objetivo geral do site da empresa é atrair novos consumidores e manter os antigos, assim, uma conversão importante é o preenchimento do formulário, que será fundamental no contato com o cliente.
As métricas do Google Analytics que podemos utilizar são:
- Quantidade de visitas recebidas
- Taxa de rejeição
- Número de conversões:
Preenchimento de formulários/ cadastros;
Tempo no site;
Número de páginas visitadas;
Clique em botões específicos.
Um exemplo de relatório padrão do Google Analytics com as métricas importantes para analisar a eficácia do seu site é o Relatório de Tráfego de Pesquisa Orgânica, para acessá-la, entre na seção “Fontes de Tráfego”, depois em Pesquisa Orgânica, na barra de menu da esquerda.
trafego de pesquisa organica - 01
 Por fim, clique em “Conjunto de metas 1”.
trafego de pesquisa organica - 01
 Você obterá o relatório de Tráfego de Pesquisa Orgânica, que poderá analisar a efetividade do seu site, de acordo com suas metas

trafego de pesquisa organica - 01
Para observar quais páginas são mais efetivos, ou seja, que convertem mais, selecionamos como dimensão principal “Página de destino”.
relatorio padrao - site institucional

Métricas para Portais e Blogs

Os portais e blogs são sites que divulgam notícias, dicas, fofocas, etc. Sua fonte de renda ocorre por vendas de espaços para propaganda para outras empresas que buscam ganhar visibilidade para nichos de mercado correspondente ao conteúdo dos portais. Assim, este tipo de site possui alguns objetivos importantes para conseguir agregar valor nos seus espaços para propaganda.
Os donos destes sites muitas vezes criam um mídia kit que mostra aos possíveis anunciantes informações relevantes sobre seu site, agregando valor aos seus espaços de propaganda. As informações podem ser: quantidade de visitas, gêneros, público alvo, tema, tempo médio de visita, etc.
As métricas do Google Analytics que podemos utilizar são:
- Quantidade de visitas recebida
- Taxa de rejeição
- Número de conversões:
Preenchimento de formulários/ cadastros;
Tempo no site;
Número de páginas visitadas;
Clique em botões específicos;
Quantidade de cliques em anúncios.
Com o relatório de Páginas de Destino, você pode observar quais são as landing pages que dão mais retorno e visitas, assim, observando qual(is) páginas são mais valorizadas. Para acessar este relatório, vá em “Conteúdo”, depois em “Páginas de Destino”.
Páginas de destino - 01
Depois, clique em “Conjunto de metas 1″
Páginas de destino - 02
 relatorio pagina de destino - blog
Outra forma é monitorar os cliques em botões do site, isso é feito através da configuração do monitoramento de eventos no Google Analytics e a configuração de metas de eventos. É possível atribuir na configuração de eventos um valor determinado para cada clique em um banner, por exemplo, R$1,50.
 Visão geral dos eventos

Métricas para e-commerce

As lojas virtuais são sites para vender produtos e/ ou serviços, ou seja, o principal objetivo deste site é a conversão “compras de produtos”, todo o site é desenvolvido para fazer com que os usuários do site comprem seus produtos.
As métricas do Google Analytics que podemos utilizar são:
- Quantidade de visitas recebidas
- Taxa de rejeição
- Número de conversões:
Preenchimento de formulários/ cadastros;
Tempo no site;
Número de páginas visitadas;
Clique em botões específicos;
Compras de produtos;
Custo por aquisição (CPA).
Um bom exemplo de relatório para e-commerce oferece informações sobre quais landing pages geram mais receita. Assim, você pode otimizar as melhores páginas para aumentar o seu lucro. Para acessá-lo, vá no menu da esquerda, clique em “Conteúdo” e depois em “Páginas de destino”.
Páginas de destino - 01
E depois clique em “Comércio eletrônico”.
Página de destino - ecommerce

E para saber a origem do tráfego que mais gera vendas.
Página de destino - ecommerce - landingpage

Informações importantes

O Google Analytics também oferece outros tipos de informações que ajudarão a desenvolver suas estratégias de marketing digital e como dispor seu investimento nesta área. Um dado muito importante é você saber quais canais estão sendo mais efetivos para conversões, ou seja, como os usuários chegam ao seu site, podendo ser por:
- Tráfego direto
- SEO (Busca orgânica)
- Adwords (Anúncio pago da Google)
- Referência
- Campanhas (e-mail marketing, divulgação em banners, etc)
- Redes sociais

É isso aí pessoal, agora boa análise para todos!
Posted by Dayane Iglesias |











Uma das máximas mais difundidas no mundo dos negócios diz que o cliente tem sempre razão. A legislação que dita os direitos dos consumidores e alguns entendimentos da Justiça, no entanto, têm mostrado que essa afirmação nem sempre é verdadeira.
Exigir a troca de uma roupa só porque ela não serviu ou o presenteado não gostou, por exemplo, é uma prática baseada num direito que não existe. O Código de Defesa do Consumidor não obriga as lojas a fazerem a troca em casos assim.
"Na tentativa de fidelizar os clientes, comerciantes permitem a realização da troca, mas como cortesia", diz o advogado especializado em direitos do consumidor Alexandre Berthe.Pela lei, a troca só é obrigatória se o produto tiver algum defeito. Mesmo assim, o fabricante tem 30 dias para fazer o conserto do produto. Só depois que esse prazo chega ao fim é que o consumidor pode exigir uma de três opções: a troca imediata, a devolução do dinheiro ou o abatimento proporcional do valor pago (se o defeito não impedir o produto de ser usado e o cliente desejar ficar com ele, ganha um desconto no preço).
Existem, porém, algumas exceções, diz a presidente da SOS Consumidor, Marli Sampaio. Entre elas estão os casos de o produto ser considerado essencial (como uma geladeira ou um carro usado como meio de trabalho) ou de o defeito impossibilitar o seu uso (uma pane no motor que impede o uso do carro, por exemplo).
"Nesses casos, o consumidor não terá que esperar 30 dias pelo conserto. Ele poderá exigir de imediato uma das três opções", diz.
Em caso de compras feitas por meio remoto (internet, telefone ou venda direta, por exemplo), a regra também é diferente: o consumidor pode desistir da compra em até sete dias, seja por que motivo for.

Justiça decide contra consumidor que quer obter vantagem

Outro direito que muitos consumidores têm pleiteado, mas a Justiça tem entendido que eles não têm, é a compra de um produto por um preço irrisório.
Em agosto, um juiz de São Paulo negou o pedido de um consumidor que queria ter o direito de pagar R$ 0,01 por um carro. O cliente alegou que a loja anunciou veículos "a preço de banana" e deveria cumprir o prometido. Para o juiz, o consumidor agiu de má-fé.
Decisões semelhantes têm sido tomadas quando lojas virtuais anunciam produtos por preços muito baixos por causa de erros no sistema.
"Nesses casos, a Justiça tem usado o bom senso. Se um produto custa R$ 1.000 e é anunciado por R$ 100, por exemplo, está claro que houve um erro. Quando o erro é muito grotesco e o preço foge completamente ao padrão, fica evidente que o consumidor quis tirar vantagem", diz Alexandre Berthe.
Tribunais de todo o país também têm decidido contra o consumidor no caso da cobrança da assinatura de telefonia fixa. Apesar de essa tarifa ser amplamente contestada na Justiça e ainda ser alvo de polêmica, o entendimento tem sido de que a cobrança é correta, afirma Marli Sampaio.

Compra de pessoa física não é relação de consumo

Da mesma forma, o consumidor não tem razão, dizem os especialistas, quando quer usar o Código de Defesa do Consumidor para se defender de problemas de compras feitas de pessoas físicas. Nesse caso, não se trata de uma relação de consumo. Por isso, a lei que vale é o Código Civil, o que, na prática, faz com que seja necessário o consumidor provar que sofreu um dano.
"Por isso, se o consumidor for comprar um carro de outra pessoa, por exemplo, o ideal é que compre de alguém que conhece ou leve junto uma pessoa que entende muito de carros", declara Berthe.
O consumidor também não tem direito de reclamar se a loja se recusa a aceitar um cheque como forma de pagamento, diz Marli Sampaio.
"Não existe lei obrigando o lojista a aceitar cheque. Mas é necessário colocar uma placa informando isso ao consumidor, em lugar visível, de modo que o consumidor saiba da restrição antes de fazer sua compra", diz a presidente da SOS Consumidor. Caso o aviso não esteja claro, o lojista deve aceitar o cheque, segundo a advogada.
A loja não pode, porém, discriminar situações em que o cheque pode ser aceito. Se ela aceitar essa forma de pagamento, não pode determinar valor mínimo de compra, por exemplo.

Fonte: Uol

Posted by Dayane Iglesias |


Marketing Olfativo é um recurso de Marketing Sensorial - estratégia recorrente às campanhas de marketing afim de criar um vínculo emocional entre clientes e marca. 
Sua aplicação pode acontecer em Pontos de Venda, Campanhas de Marketing e Propaganda ou através de produtos perfumados.
Não por acaso, no Brasil, este tipo de ferramenta tomou os pontos de vendas, sendo uma ferramenta quase que exclusivamente utilizada no varejo. Afinal, são nesses locais onde clientes e marcas conversam. A atmosfera¹ ambiental favorece a interação dos consumidores aos produtos expostos. Aumentando os pontos de contato, ou seja, integrando mais um sentido (o olfato) , melhor será a percepção daquele cliente sobre os valores da marca.
Integrar uma fragrância ao ponto de venda ou associá-la a uma marca é praticar Marketing Olfativo. Para tanto, essa mensagem deve estar alinhada às estratégias de marketing da marca e corresponder às expectativas do target. 
Sendo assim, o aumento de vendas pode acontecer em duas frentes: Comportamentos favoráveis ao consumo ou Lembrança positiva da marca através de uma boa experiência de consumo.
Para entendermos o diferencial em trabalhar uma fragrância como mensagem a ser transmitida é necessário estudar os estimulos por ela causados e quais são as respostas e comportamentos a eles.
O cheiro é capaz de estimular certas áreas do nosso cérebro responsáveis por criar emoções e memórias. Ao sentir uma fragrância, o olfato envia mensagens instantaneamente para o nosso sistema límbico, a parte do cérebro onde sentimos emoções, luxúria, percepção e imaginação. O resultado é imediato. O consumidor consegue associar o cheiro da fragrância à marca. Assim, torna-se possível desenvolver laços e memórias que podem ser trabalhados neste relacionamento com o cliente.

Marketing Olfativo no Varejo:

Através da aromatização de um ponto de venda, por exemplo, é possível estimular o bem-estar do consumidor e a qualidade do ar, transformando o ambiente em um lugar mais agradável. Assim, aumenta-se o tempo de permanência do cliente no local e estimula-se o desejo de consumo. Quanto maior a permanência do cliente na loja, maior a probabilidade de compra. Uma fragrância, em harmonia aos demais elementos que compõem a atmosfera do ponto de venda (ambientação, elementos visuais, sonoros e táteis), proporciona uma melhor experiência de consumo, fortalecendo a lembrança positiva sobre a marca.



Marketing Olfativo em Campanhas:

O cheiro pode também incorporar campanhas publicitárias e eventos, como uma forma de chamar e reter a atenção do público. Suas aplicações vão de anúncios perfumados em revistas ou peças publicitárias em comunicações dirigidas à dispersão de fragrâncias em intervenções para anunciar um novo produto. Tintas com cheiro, tiras de papel aromatizadas ou aromatização do ambiente da campanha ou evento são capazes de influenciar o comportamento e desenvolver laços entre o consumidor e a marca.
Veja um exemplo da utilização do Marketing Olfativo em uma campanha da Dunkin' Donuts

http://youtu.be/DxS803Bu_dE


Marketing Olfativo em Produtos:

aromatização de produtos pode ir muito além de velas perfumadas e cosméticos. Ao aromatizar produtos ou embalagens é possível criar um vínculo emocional com o consumidor e, mais do que isso, levar a marca, através de uma fragrância, para o dia a dia dos clientes.
Exemplo disso são empresas automobilísticas, que desenvolveram fragrâncias específicas para lembrar o cheiro de carro novo. Um signo que extrapola os atribuitos comuns do produto e permite interpretações decisivas para compra. Aromatizar produtos também é uma prática comum em brinquedos infantis, como as bonecas Moranguinho™ e, há pouco tempo atrás, brinquedos com aromaterapia, onde os aromas de alecrim e erva-doce transmitem sensações de calma e tranquilidade, favorecendo o aprendizado dos pequenos.
Além disso, é possível desenvolver extensões de marca através de produtos com fragrâncias específicas que reflitam o universo de cada marca. Dessa maneira, gera-se novas fontes de renda e amplia-se o público-alvo da mesma. Bons exemplos podem ser encontrados no mercado de luxo, em grifes de alta-costura. Marcas como Chanel, Dior e Givenchy, por exemplo, são tão conhecidas por suas roupas, quanto por seus perfumes e cosméticos que, atualmente, geram maior lucro do que itens de vestuário em si. Tal estratégia auxilia a ampliar a divulgação e público-alvo da marca, além de fortalecer a imagem da mesma. 



Em um mercado tão competitivo, onde diversos concorrentes atuam em veículos e campanhas diferentes, nosso know-how pode te auxiliar a ter o diferencial necessário para se destacar. O Marketing Olfativo entra como ferramenta de comunicação para complementar as estratégias de marketing empregadas por sua empresa.