Posted by Dayane Iglesias |

Uma estimativa do instituto de pesquisa ZenithOptimedia prevê que os meios digitais deverão ser a maior mídia em faturamento publicitário este ano, perdendo apenas para a televisão.


Já uma pesquisa da Magnaglobal aponta que o investimento publicitário mundial nos meios online devecrescer 11,2% em 2012. Número menor que o registrado em 2011: 16,9%.

Os estudos integram o "Livro de Tendências da Mídia Global Digital 2012", publicado pela Word Newsmedia Network (WNMN), associação sem fins lucrativos com sede nos EUA e Reino Unido.

"Finalmente, internet, celulares e, logo, tablets vão desfrutar de um aumento nos gastos publicitários proporcional ao vasto uso que se faz deles", afirma Martha Stone, executiva da WNMN.

Com base nos últimos três anos, os dados também apontam que o uso de computadores de mesa está diminuindo, porém, o de tablets está crescendo. Nos EUA, por exemplo, a penetração dos aparelhos como iPad e Samsung Galaxy Tab deve alcançar 19% este ano, ante 10% em 2011.

"O aumento do uso de tablets, leitores digitais [e-readers] e celulares tem inspirado editores e anunciantes a repensar suas estratégias editoriais e de marketing", diz o estudo da WNMN.

O levantamento também mostra quais empresas mais faturam com propaganda on-line nos EUA. O Google lidera com US$ 12,7 bilhões. A disparidade do 2º e do 3º colocado em relação ao gigante das buscas chama a atenção. O vice-líder Yahoo faturou US$ 3,5 bilhões, já a rede de Mark Zuckerberg, apenas US$ 2,2 bilhões.

Veja o infográfico:








 


Fonte: AdNews
Posted by Dayane Iglesias |

43% dos e-consumidores latino-americanos compraram algum item de vestuário pela internet nos últimos três meses, sendo esta a categoria de produto online mais popular na região, segundo um estudo divulgado pela comScore. Na sequência da lista das categorias mais populares estão Informática (41%), Música, filmes ou vídeos (36%), Eletrodomésticos (35%), Hardware de computador (33%), Ingressos de Entretenimento (31%), Férias/Viagens (27%), Saúde & cuidados de beleza (27%), Livros e revistas (24%) e Esporte & fitness, com 15% dos entrevistados afirmando comprar mercadorias desse grupo.


O estudo, que contou com 1.100 participantes do Brasil, México, Argentina, Chile, Colômbia, Peru e Venezuela, também revela que os consumidores começam sua experiência de compra online pelo site da empresa, com quase 7 em cada 10 (68%) entrevistados confirmando este comportamento, seguidos por aqueles que realizam consultas em motores de busca (56%), clicam em anúncios online (36%), são influenciados por amigos / colegas / parentes (29%), utilizam redes sociais (26%) e sites de leilões online (26%). Anúncios off-line (25%) e cupons ou promoções (21%) também influenciaram mais de 20% dos consumidores.

No entanto, quando levado em conta apenas os consumidores brasileiros, a pesquisa aponta uma predileção para iniciar o processo através de sites comparadores de preços e anúncios online, em comparação com o resto da região, enquanto os peruanos são mais inclinados a sofrer influência das redes sociais e anúncios off-line. Além disso, os gastos online foram maiores entre os participantes do Brasil e da Venezuela.

A pesquisa também revela que a conveniência se posicionou como principal motivo pelo qual os consumidores escolhem comprar online na América Latina, enquanto as preocupações com privacidade foram a principal barreira para as compras online.


Fonte: E-Commerce News