Posted by Dayane Iglesias |

Administrar uma empresa, atualmente, requer muito mais do que o
exercício das funções básicas de gerência, como planejar, organizar e controlar.
As ameaças às organizações, vindas dos clientes, da concorrência e em
decorrência das mudanças no contexto socioeconômico requerem habilidades
humanas em alto grau de refinamento.
Acompreensão do comportamento individual e dos grupos em situação
de trabalho constitui o campo de estudo do Comportamento Organizacional.
De modo particular investiga as questões relacionadas com lideranças e poder,
estruturas e processos de grupo, aprendizagem, percepção, atitude, processos
de mudanças, conflito e dimensionamento de trabalho, entre outros temas que
afetam os indivíduos e as equipes nas organizações.

Untitled Document
Posted by Dayane Iglesias |

Os dados apresentados pelo estudo posicionam o Brasil no 63º lugar entre os 154 países mapeados, atrás da Grécia, Rússia e Argentina

Cerca de 33% dos brasileiros têm acesso à internet em casa e quase a metade deles utiliza banda larga. Esse número deixa o Brasil em 63º lugar no ranking de 154 países nos quais o número de pessoas com acesso domiciliar à internet foi contabilizado, atrás da Grécia, Rússia e Argentina. E coloca o país exatamente em cima da média mundial de acesso à internet.
Os dados são da pesquisa Mapa da Inclusão Digital, divulgados nesta quarta-feira, 16/5, pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e pela Fundação Telefônica. O trabalho é o primeiro de uma série de estudos sobre inclusão digital e mapeamento de diversas formas de acesso à tecnologia digital no Brasil produzido a partir de microdados do novo censo brasileiro do IBGE e de mais de 150 países.
A pesquisa, lançada 10 anos depois do primeiro “Mapa da Exclusão Digital”, publicado em parceria com o Comitê para Democratização da Informática (CDI), avalia a qualidade do acesso, seus usos e retornos, em uma perspectiva de atuação integrada que possibilitará elevar o nível de bem-estar social da população de maneira sustentável e que servirá de subsídio para o monitoramento dos indicadores que compõem a metas do milênio da ONU.
De acordo com o mapa, a cidade de São Caetano do Sul, no estado de São Paulo, apresenta o maior índice do país de acesso à internet em casa (69%). São Caetano do Sul é o lugar que apresenta também maior acesso a computador em casa (77,62% possuem computador, sendo 74,07% conectados à rede). Em seguida, aparecem Vitória, Santos, Florianópolis e Niterói, que estão incluídos, não por coincidência, entre as cinco cidades mais classe AB do país (em ordem diversa entre elas). Em contrapartida, São Lourenço do Piauí é a que apresenta a menor taxa de acesso a computador (0,43%). Quanto à internet, dos 20 municípios menos conectados (segunda tabela), 18 possuem acesso nulo (igual a 0%).
FGV20mais
TGV20menos
O mapa mostra também cidades em que o nível de acesso difere por regiões. No Rio de Janeiro, o percentual de acesso equivale ao da Islândia: 94% dos lares com computador em casa são conectados. A Lagoa se destaca no topo dos bairros com população com computador em casa (85,08%, sendo 82,87% deles ligados à internet), acompanhado por Botafogo e Tijuca como segundo e terceiro colocados. O mais excluído é o Complexo do Alemão (42,89%). Entre os subdistritos (localidades específicas dentro de bairros), a disparidade é ainda maior. A favela Rio das Pedras tem o menor percentual da cidade, 21%, semelhante ao do Panamá. Já a avenida Sernambetiba, na Barra da Tijuca, possui a maior porcentagem de domicílios com internet do município, com índices comparáveis aos dos países nórdicos, como a Suécia, líder do ranking mundial. “Lembrando Zuenir Ventura, estamos na cidade digital partida”, analisa Neri.
FGV1
Ainda segundo a pesquisa, a maior parte da população acessa a internet em casa, utilizando banda larga (46,92%). Depois, vêm os centros públicos de acesso pago (35,11%). Cerca de 31% acessam no trabalho, seguido da casa de amigos e parentes (19,7%) e instituição de ensino (17,5%). O acesso público gratuito é utilizado por 5,52% da população. Na pesquisa, os entrevistados puderam escolher mais de uma opção de acesso.
FGV2
A íntegra do novo “Mapa da Inclusão Digital” está disponível em www.fgv.br/cps/telefonica. No endereço também é possível encontrar um simulador que cruza diversos dados da pesquisa, como classe social, gênero e município.

Fonte: http://idgnow.uol.com.br/internet/2012/05/16/um-terco-dos-brasileiros-tem-internet-em-casa-diz-fgv/
Posted by Dayane Iglesias |


Estudo com ressonância magnética diz que falar sobre si próprio ativa centro de recompensa no cérebro e libera dopamina


Publicar comentários sobre diferentes temas nas redes sociais provoca um prazer no cérebro semelhante ao obtido com a comida e o sexo, concluiu um estudo publicado nos Estados Unidos.
Falar sobre si próprio libera dopamina, substância química vinculada aos sentimentos de prazer ou à antecipação de uma recompensa, destacou o estudo, realizado por neurologistas e publicado na edição de 7 de maio das Atas da Academia Nacional de Ciência dos Estados Unidos (PNAS, na sigla em inglês).
Segundo os cientistas, a maioria das pessoas dedica de 30% a 40% de seu discurso a "informar os outros sobre suas próprias experiências subjetivas", mas nos meios sociais, este percentual chega a 80%.
"As pessoas fazem confidências tão voluntariamente porque falar de si próprio é, em si, um ato com determinado valor, como são as atividades que geram uma recompensa imediata, como comer ou fazer amor", explicaram os pesquisadores.
O estudo, que não mencionou o Facebook especificamente, se concentrou na resposta do cérebro das pessoas "à oportunidade de comunicar seus pensamentos e sentimentos aos demais."
"À medida que os seres humanos são motivados a revelar o que pensam, a oportunidade de divulgar o que se pensa é vivida como uma forte forma de recompensa subjetiva", escreveram Diana Tamir e Jason Mitchell, do laboratório de neurociência da Universidade de Harvard, em Massachusetts (nordeste).
Segundo os cientistas, o estudo sustenta a ideia de que os seres humanos, assim como fazem alguns outros primatas, deixam de lado algumas recompensas para obter uma forte resposta cerebral.
O estudo ofereceu aos participantes da pesquisa uma recompensa em dinheiro para responder a algumas questões factuais sobre coisas que observavam e uma recompensa menor para dar seus próprios pontos de vista sobre um tema.
Em muitos casos, os participantes preferiram uma recompensa menor a fim de poder falar de si próprio.
"Assim, como os macacos estão dispostos a renunciar a recompensas para ver seus companheiros de grupo dominantes e os estudantes universitários, a pagar para ver membros atraentes do sexo oposto, os participantes do estudo se mostraram dispostos a renunciar ao dinheiro para falar de si próprio", destacaram os cientistas.
Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/2012-05-11/prazer-nas-redes-sociais-e-semelhante-ao-obtido-com-sexo-e-comid.html
Posted by Dayane Iglesias |

Mais que a opinião de parentes e amigos, é a internet a maior influenciadora na hora de se decidir por uma compra





A internet se tornou, há algum tempo, um importante canal de vendas para empresas de todos os segmentos. Cada vez mais, os brasileiros trocam as lojas físicas pelo consumo em poucos cliques. Noventa e três por cento dos usuários de internet no Brasil já realizaram compras online, sendo que 62% o fazem todo os meses. Os dados fazem parte da pesquisa sobre o comportamento do e-consumidor brasileiro realizada pela Hi-Mídia, empresa especializada em venda de mídia online, e pela M.Sense, especializada no estudo do mercado digital. A pesquisa ouviu 1.214 pessoas das cinco regiões brasileiras, entre os dias 4 e 12 de abril.
De acordo com o estudo, a internet é a grande influenciadora na hora de o consumidor se decidir por uma compra. Mais do que ouvir a opinião de parentes e amigos, 77% dos entrevistados afirmaram que adquirem informações sobre os produtos em sites de busca, redes sociais, blogs ou sites institucionais das empresas. "E mesmo quando a compra não é realizada pela internet, a consulta de informações na rede é considerada essencial no processo de decisão, o que torna necessária a presença digital mesmo para marcas que não utilizam o canal de venda online diretamente", afirma Bruno Maletta, sócio da M. Sense. Outro dado revelado na pesquisa reforça a  necessidade da presença online: apesar da diferença no volume de investimento ainda ser muito grande, a publicidade online ganha cada vez mais importância junto aos usuários de internet – 47% a consideram muito influente, contra 38% que julgam que a publicidade na TV exerce muita influência na hora da compra.

Perfil do e-consumidor

Noventa e três por cento dos entrevistados das classes C/D/E já são e-consumidores, contra 90% dos pertencentes às classes A/B. Noventa e seis por cento dos entrevistados entre 25 a 29 anos consomem online, contra 94% dos que têm até 24 anos e 93% dos que possuem entre 40 e 49 anos. O Nordeste é a região campeã – 96% dos entrevistados realizam compras online, contra 92% dos habitantes das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste/Norte. Entre os homens, 94% fazem compras online, contra 91% das mulheres entrevistadas. 

Preço e comodidade

Sessenta e oito por cento dos internautas compram online por causa do preço (principalmente entre os homens) e 56% por conta da comodidade (mais citado pelas mulheres). Variedade dos produtos, facilidade de pagamento e  busca de informações e dicas também foram apontadas pelos entrevistados como principais motivos para comprar online. A pesquisa aponta que praticamente todos os consumidores comparam preços na internet antes de fazer suas compras, independente se as realizarão em lojas físicas ou online.

Produtos

Eletrodomésticos e artigos de informática ainda são os campeões de compra, citados por 76% dos entrevistados, seguidos dos eletrodomésticos (56%), de livros e revistas (39%), de roupas, acessórios e calçados (34%). Americanas.com, lembrada por 22% dos entrevistados, e Submarino, com 16%, encabeçam o top of mind, tanto entre usuários das classes A/B quanto entre os da classe C. Já os alimentos e bebidas ainda sofrem rejeição, sendo apontados por 34% como um produto que eles não comprariam online, seguido de joias (29%), automóveis e autopeças (24%) e flores (23%). A alegação dos usuários é que precisam avaliar os produtos pessoalmente.

E-mail marketing

Um em cada cinco usuários entrevistados sente-se irritado quando encontra publicidade em suas caixas de e-mail e 47% consideram-se invadidos quando recebem e-mails para os quais não deram autorização. Porém, 49% querem ter acesso a mais ofertas relevantes por e-mail e 54% afirmam que lojas e sites de compras coletivas deveriam enviar apenas ofertas personalizadas, indicando que o e-mail marketing pode ser uma das melhores formas de contato com o consumidor, desde que trabalhado corretamente. “O consumidor online deseja que as empresas entendam e respeitem seus hábitos de consumo. Nesse cenário, a segmentação e a personalização de ofertas e conteúdo se tornam cada vez mais relevantes para o sucesso da relação entre as marcas e os e-consumidores”, afirma Julien Turri, CEO da Hi-Mídia.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/negocios/digital_news/noticias/noventa-e-tres-por-cento-dos-usuarios-de-internet-no-brasil-ja-fizeram-compras-online
Posted by Dayane Iglesias |

Posted by Dayane Iglesias |
O celular já supera em importância e escala o fenômeno da Internet. É o produto mais importante do século 21. Pense nisso. 
Fonte: http://gil.gd/Ivwx9A