Posted by Dayane Iglesias |
O antropólogo polonês Bronislaw Malinowskii foi o primeiro a ressaltar como o que ele denominava "discurso fático" - perguntas sobre o tempo ou o cumprimento nas ruas - cria a atmosfera geral que mantém a coesão da sociedade. Os índios Micmac, do leste do Canadá e da Nova Inglaterra, concordam. Para eles, a tarefa mais importante do dia da pessoa é dar uma volta pela comunidade e jogar conversa fora. No caso, o conteúdo da conversa é obviamente menos importante que o fato de se tomar parte nela. É aí que está a verdadeira influência de cada um.

A influência sutil é a que cada pessoa exerce, para o bem ou para o mal, por ser como é. Quando somos negativos ou desonestos, isso gera uma influência sutil sobre os outros, independentemente de qualquer impacto direto que o nosso comportamento possa ter. Nossa atitude e nossa maneira de ser criam o clima em que os demais vivem, a atmosfera que respiram. Ajudamos a fornecer os nutrientes do solo em que os outros crescem. Se somos genuinamente felizes, positivos, solícitos, prestativos e honestos, isso influencia as pessoas ao nosso redor de maneira sutil. Em se tratando de crianças, todos sabem disso. Elas reagem a quem você é muito mais do que àquilo que você diz. Não obstante, todos somos afetados de modo muito profundo e sutil pela maneira de ser alheia.

(por John Briggs & F. David Peat, no livro “A Sabedoria do Caos”)