Posted by Dayane Iglesias |

O que fazer quando você ainda não tem um produto/serviço no mercado e não sabe exatamente quem são as pessoas para quem você venderá?
Não se desespere! Este tópico é exatamente para isso. Vamos te ajudar a criar a sua persona, mesmo que você ainda não tenha clientes. Dessa forma, você conseguirá começar um negócio com o foco voltado para o seu consumidor e o que ele precisa.
1. Defina sua área de atuação
Se você está começando agora, que tal pensar em um produto/serviço que você já conhece bem?
Quando você já tem facilidade com algum tema, é provável que seja mais fácil falar sobre ele. Você com certeza terá vantagens ao criar seu conteúdo voltado para alguma área conhecida, porque estará em um nicho que domina.
Depois que você decidir sobre o que falará, qual será sua área de atuação, e começar a postar seu conteúdo, você perceberá quem são as pessoas que acessam mais seu material. Mesmo que eles não tenham comprado nada em sua página de vendas ainda, você já terá informações sobre quem são as pessoas que mais se interessam pelo que você fala.
2. Interaja com as pessoas
Para entender melhor o que os seu clientes em potencial precisam, quais são suas dores que ainda não têm solução, você precisa conversar com eles. Mas antes de já apresentar suas propostas, que tal interagir como um consumidor também?
No tópico anterior, mostramos como é importante você definir qual será o seu nicho. Depois disso feito, você pode procurar fóruns que estejam relacionados a sua área de atuação.
O Facebook é uma ótima rede social para isso. Lá, você encontra grupos voltados para diversos nichos específicos. Aproveite os fóruns de perguntas nesses grupos e analise o perfil das pessoas que estão lá, assim, você consegue definir quem seria a sua persona.
3. Utilize Audience Insights
Ainda falando sobre Facebook, esta rede social tem uma ferramenta que pode te ajudar muito se você não tiver sua persona definida. Audience insight é uma ferramenta que consegue te mostrar quem são as pessoas que procuram por produtos/serviços parecidos com o que você quer vender. E como isso é feito?
Suponha que você queira vender livros digitais, conhecidos como ebooks. Se esse for seu nicho, você sabe que a Amazon é uma das grandes marcas desse nicho. Então, para entender melhor o público que você pode alcançar, entre na página do Facebook da Amazon e veja quem segue este perfil.
Depois, entre no Audience Insights e preencha com informações que você coletou das pessoas que procuram por ebooks. É bem provável que aparecerá a informação das principais categorias que aquele público pré-mapeado segue, como a página da Amazon.
Com essa ferramenta você conseguirá informações como idade, gênero e áreas de interesse das pessoas que estão naquela página.
Para usar o Audience Insights, você precisa:
1.    Entrar no Facebook Audience Insights;
2.    Escolher o tipo de público para ser analisado (“Todos no Facebook”);
3.    Utilizar os filtros do lado esquerdo da tela para direcionar melhor sua pesquisa. Nesses filtros, você consegue marcar a localização, idade, gênero, interesses e páginas as quais as pessoas estão conectadas;
4.    Clicar em salvar. Pronto! Você terá informações de diversas pessoas que acessam conteúdos semelhantes aos que você quer divulgar.
4. Crie formulários de pesquisa
Outra maneira para criar uma persona é fazer formulários de pesquisas para que as pessoas respondam. Nesses formulários, você precisa colocar perguntas sociodemográficas, mas não pode se esquecer de informações comportamentais e psicográficas.
Disponibilize seus formulários em fóruns sobre o seu nicho, na sua página do Facebook e em seu blog (se você já tiver um). Depois de um tempo e uma quantidade razoável respondida, analise as respostas para entender o perfil do seu comprador ideal.
Nesse tipo de estratégia, você precisa tomar 2 cuidados muito importantes:
1.    Não faça perguntas demais. Caso seu formulário fique muito grande, pode ser que as pessoas não tenham vontade de responder. Além disso, quanto mais perguntas, mais dados você terá que analisar.
2.    Pense com cuidado no tamanho da sua amostra. Você precisa equilibrar bem a quantidade de formulários que analisará. Não pegue uma amostra muito pequena (por exemplo, 20 pessoas), nem uma muito grande (como 2.000 pessoas). Você pode começar com uma amostra de 100 pessoas, por exemplo, e se sentir necessidade, pode aumentar essa quantidade depois.
5. Lance o seu produto
Lançar o seu produto é algo que pode te ajudar muito a criar sua persona. Isso porque, depois que as pessoas conhecem o que você oferece, elas comentam sobre o produto/serviço.
Você já ouviu falar sobre Minimum Value Product? O Produto Viável Mínimo (MVP, na sigla em inglês) é essencial para você entender a percepção das pessoas com a solução que você apresenta. Ele não é o seu produto completamente pronto, é como se fosse uma amostra daquilo que você ainda fará.
A importância de você começar com mínimo possível é que você consegue interagir com quem experimentou sua amostra e pode analisar qual é o perfil dessas pessoas. Assim, você consegue criar uma persona para seu negócio com base em quem conheceu a proposta do seu produto/serviço.
Conclusão
Pensar em uma estratégia com personas, irá ajudá-lo a se identificar melhor com o seu público. Assim, você consegue perceber as dores e resolver os problemas de seus clientes com mais eficiência.
Os resultados desse tipo de estratégia incluem uma melhor experiência para o usuário e um comprador mais engajado para o seu negócio. Por isso, lembre-se de sempre criar sua persona para que seu marketing seja completo e consiga atingir todos os objetivos iniciais do seu produto ou serviço.
Independentemente se você já tem clientes ou não, percebeu que é possível criar sua persona. Por isso, não deixe de aplicar essa estratégia nos seus negócios.
Fonte: Hotmart
Posted by Dayane Iglesias |

Faça as perguntas certas

Para começar a pensar na sua buyer persona é ideal saber quais perguntas fazer. Essas perguntas vão te ajudar a montar um personagem que não é somente fruto da sua imaginação e sim alguém real!
Esse planejamento permitirá que você possa entender os aspectos do seu cliente para atendê-lo melhor. Portanto, a forma ideal de fazer isso é por meio de perguntas relevantes sobre o meio que o cerca. Confira alguns exemplos:

Trabalho

  • Qual é o seu cargo?
  • O que você faz no trabalho?
  • Como seu trabalho é mensurado?
  • Conte-me como é a sua rotina no trabalho?
  • Quais habilidades são necessárias para executar suas tarefas?
  • Quais são as ferramentas que você usa diariamente?

Empresa

  • Qual é o segmento de sua empresa?
  • Qual é o tamanho da empresa?

Objetivos

  • Quais são suas principais responsabilidades?
  • Quais são seus principais objetivos?
  • Para você, o que é ser bem sucedido em seu trabalho?

Desafios

  • Quais são os maiores desafios em seu trabalho?
  • Quais são os maiores problemas que você encontra para atingir seus objetivos?

Informação e conteúdo

  • Como você aprende novas habilidades e informações para o seu trabalho?
  • Quais são as principais publicações e/ou blogs que você consome?
  • Quais são as redes sociais que você faz parte e com qual frequência você as utiliza para aprender algo?

Informações pessoais

  • Descreva um pequeno histórico sobre você. (Idade, nacionalidade, família, estado civil, filhos e etc.)
  • Descreva sobre seu histórico educacional.
  • Conte um pouco sobre sua trajetória como profissional.

Hábitos de compra

  • Onde você costuma fazer a maior parte de suas compras? (Loja física / online)
  • Com qual frequência você realiza compras online?
  • Você costuma realizar pesquisas antes de fazer compras?
  • Conte um pouco sobre sua última compra. Onde foi, o que te levou a fazer a compra, houve pesquisa de preço?

Análise dos dados

O segundo passo é tentar encontrar características comuns entre os clientes, ou seja, quais são os problemas, as reclamações mais comuns e as soluções mais citadas.
Em resumo, quais são as características comuns que indicam que estas pessoas possuem uma mesma demanda por conteúdo.
Em seguida, componha as personas e defina quais são as mais importantes. Não existe um número mínimo, ou máximo, mas é preciso ter em mente que as personas serão parte integral de toda a sua estratégia, portanto se você tem 3 personas, o ideal é trabalhar a sua estratégia completa em todas elas. Isso quer dizer blog posts, emails e fluxos de nutrição específicos.

Estruturando a persona

Uma parte realmente importante é a organização e estrutura da sua persona. Aqui estamos falando de colocar no papel (ou no Word) tudo que você sabe sobre a sua persona.
O segredo é personifica-la. Pode parecer óbvio, mas é a verdade.
Crie um nome, idade, profissão e descreva o dia a dia dela. Crie uma historinha se for necessário, com hábitos diários, profissionais e pessoais.
É importante que essa persona seja mais que informações em uma folha de papel, você precisa pensar nela como um ser humano de verdade (afinal ela é baseada em um), que vai ler todo o seu conteúdo, interagir com a sua empresa e comprar o seu produto.
Ao estruturar, você coloca em prática todas as horas de pesquisa feitas e tudo o que foi aprendido sobre o seu cliente ideal. Também é possível adicionar alguns dados extras, como:
  • objetivos pessoais;
  • objetivos profissionais;
  • dores pessoais;
  • dores profissionais;
  • aspirações.
Posted by Dayane Iglesias |

A importância do RP na formação da opinião pública.

Quem nunca comprou um saco de Ruffles e se decepcionou com a quantidade de chips que vem nele? Há alguns anos caiu na rede social uma “anti-propaganda” criada pelos próprios usuários revoltados da rede.
Uma das postagens dizia: “RUFFLES RECLAMAÇÃO: Gostaria de informar que o saco de ar que vocês vendem, está vindo com algumas batatas dentro…”, além de um “gráfico” diferente que pretende relacionar o tamanho do pacote e o quanto de batata geralmente tem para você comer.
Por meio das redes sociais, podemos observar a manifestação da opinião pública, que é definida por Cândido Teobaldo como “a expressão verbal da atitude comum de um público determinado” e “a opinião pública é a expressão dos modos de pensar de determinados grupos sociais ou de uma sociedade como um todo”, de acordo com Rubens Figueiredo.
Logo podemos perceber que a opinião pública começou a se manifestar negativamente em relação à marca. E onde entra o RP nisso? Exatamente nesse momento!
A equipe da Ruffles seguiu 6 passos básicos para administrar a opinião pública:
# Planejamento: a Ruffles manteve e mantém um planejamento de acompanhamento da opinião pública, mostrando-se atento a qualquer assunto que pode impactar ou, de algum modo, influenciar na imagem da organização.
# Estudo: se refere ao conhecimento e identificação acerca do assunto e contexto. Por ter o conhecimento do processo, a Ruffles conseguiu identificar o público envolvido, as propriedades da opinião pública e os meios de comunicação que devem ser utilizados para se alcançar o objetivo pretendido, que no caso foram as próprias redes sociais. Por meio da fanpage oficial da rede, eles soltaram uma campanha “Saco de Ar? Isso é Mito”.
# Respeito à OP: por meio de um infográfico divertido, a Ruffles soltou essa sua campanha informando os usuários da rede que eram os seus públicos de interesse, como funciona “o caminho da batata Ruffles até sua boca”.
# Avaliação: a empresa se posicionou muito bem diante da Opinião Pública e, com certeza, tinha um plano B, para o caso daquela campanha não tivesse dado certo.
# Informação com ética: Nesse infográfico, eles explicam o processo de fabricação, embalagem e transporte das batatas, até a chegada ao usuário final. De modo ético e com informações verdadeiras, a Ruffes não desmente e nem tenta “mascarar” a quantidade de ar que há nos pacotes, mas sim, explica qual a necessidade de ‘vácuo’.
#Formação da Opinião Pública: assim, sendo rápidos e sabendo o que responder, como responder e onde responder, a Ruffles conseguiu inverter a situação e, assim, agregar mais seguidores para sua página.
Nesse case, podemos perceber como o bom planejamento e relacionamento com a Opinião Pública pode dar certo. O Relações Públicas precisa não só informar, mas também formar a opinião pública!
Posted by Dayane Iglesias |
https://www.sebraecanvas.com/#/
https://pt.slideshare.net/cruzk/resumo-do-livro-business-model-generation